Pastor Abner Ferreira sai em defesa de Silas Malafaia e critica matéria da Veja sobre formação de pastores: “preconceituosa”. Leia na íntegra

O pastor Abner Ferreira, presidente da Assembleia de Deus de Madureira, no Rio de Janeiro, publicou um artigo de desagravo à matéria assinada pelo jornalista João Batista Jr. e publicada pela revista Veja São Paulo. O artigo foi veiculado pelo site do pastor Silas Malafaia, e trata a matéria como uma afronta ao povo evangélico: “João Batista Jr. foi descortês, tosco e incivil ao opinar de forma preconceituosa, tendenciosa e discriminatória sobre uma questão religiosa totalmente distante da sua própria realidade. Cometeu uma grande parvoíce”, escreveu o pastor Ferreira. A indignação de Abner Ferreira, que é advogado, o levou a classificar a matéria como fruto de “maldade congênita”, ressaltando que o jornalista, que participou da ESLAVEC, tratou o “exercício do ministério pastoral” como uma carreira
qualquer, referindo-se ao evento organizado pelo pastor Silas Malafaia como “curso de formação de mão de obra evangélica”. O pastor da AD Madureira frisou em seu texto que a iniciativa de repudiar a matéria partiu dele próprio: “De forma absolutamente voluntária, fiz questão de me manifestar. A omissão, em horas como esta, é, no mínimo, aviltante. Minha consciência não me permite ficar calado e inerte, ao perceber que, nitidamente, o novel jornalista João Batista Jr. tenta desconstruir a imagem da igreja evangélica no Brasil”. Abner Ferreira destaca que sua manifestação é dirigida apenas ao jornalista João Batista Jr. e não à revista Veja, tida por ele como importante no cenário nacional. “Quero ressaltar, de forma clara e inequívoca, que conheço e sou assinante da Revista Veja. Trata-se de um órgão da imprensa escrita da mais alta credibilidade, com serviços prestados a nação brasileira da mais alta relevância. E que tem tratado as organizações e crenças religiosas de maneira imparcial, respeitando a laicidade do Estado brasileiro. Pessoalmente, destaco o excelente jornalista Reinaldo Azevedo, a quem presto solidariedade e respeito, assim como Lauro Jardim, dentre outros renomados jornalistas da Veja Nacional. Tenho inclusive a impressão que, até mesmo os editores desta conceituada revista ficaram pasmos diante da postura tendenciosa e afobada de seu novel jornalista correspondente. Isto não condiz com a maneira isenta com que estas questões tem sido tratadas pela revista Veja, em relação a comunidade religiosa cristã”, disse o pastor Ferreira. Uma velha questão de diferença de tratamento para com as religiões foi levantada pelo pastor Abner Ferreira: “O novel jornalista tratou tão bem ao Padre Marcelo Rossi quando deu cobertura a inauguração de seu majestoso templo. Por que ser tão preconceituoso, discriminatório e difamador para tratar os mais de quatro mil participantes da gloriosa ESLAVEC? A questão, obviamente, não está em abordar um assunto religioso, mas pela forma como atuou no levantamento de informações. O novel jornalista João Batista Jr. queria mesmo tratar nossa fé cristã como ‘uma carreira de mercado: promissora e acessível para qualquer pessoa’”. Confira abaixo, a íntegra do artigo do pastor Abner Ferreira sobre a reportagem veiculada pela revista Veja SP: Jornalista João Batista Jr.: “o homem errado, no lugar errado”. Matéria tendenciosa publicada pela Veja São Paulo tentou desconstruir a imagem da igreja evangélica. “O que mais preocupa não é o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”. (Martin Luther King). “O mundo espera dos cristãos que elevem suas vozes tão alta e claramente, e formulem o seu protesto de tal forma que nem mesmo a pessoa mais simples fique em dúvida quanto ao que estão dizendo”. (Albert Camus) “Para que o mal triunfe basta que os bons fiquem de braços cruzados”. (Edmund Burke) A mente humana é a líder ou a precursora de todas as ações. Nossas ações são os resultados diretos de nossos pensamentos. O problema de muitas pessoas é que seus pensamentos estão enraizados em influências ativistas e malignas; e, não em informações corretas da verdade. O mestre em deturpar essa verdade é Satanás e ele não tem limites para isso. Usa inclusive jornalista. Pois é… João Batista Jr. foi descortês, tosco e incivil ao opinar de forma preconceituosa, tendenciosa e discriminatória sobre uma questão religiosa totalmente distante da sua própria realidade. Cometeu uma grande parvoice. Falo da reportagem publicada pela revista Veja São Paulo e assinada pelo novel jornalista correspondente João Batista Jr., sob o titulo: “Silas Malafaia: o caçador de pastores”. Por maldade congênita, o novel jornalista, participou da quarta edição da Escola de Líderes da Associação Vitória em Cristo (ESLAVEC) e saiu cheio de opinião tendenciosa, preconceituosa e discriminatória sobre o exercício do ministério pastoral, que chamou — demonstrando sua nítida intenção de tentar macular a imagem do pastor Silas Malafaia — de “curso de formação de mão de obra evangélica”. Conheço o Pastor Silas Malafaia há mais de vinte anos. Tenho a honra de ser um de seus vice presidente do COMERJ (Conselho de Ministros Evangélicos do Estado do Rio de Janeiro). É um esposo e pai de família exemplar (casado há mais de trinta anos com a mesma esposa, pastora Elizete Malafaia), ministro do Evangelho, psicólogo, homem honrado, que sabe honrar e respeitar os amigos, árduo e intransigente defensor da liberdade de expressão, de pensamento, de culto e da crença. Pastor de ovelhas, um apaixonado evangelista pregando diariamente uma mensagem eminentemente Cristocêntrica, levando muitos milhares de almas a Jesus Cristo através das Grandes Cruzadas Evangelisticas realizadas em todo o Brasil e no exterior. Homem de mídia, especialmente a televisão, onde há mais de trinta anos mantém diariamente um programa de televisão evangélico (programa Vitória em Cristo). Quem convive com Pastor Silas Malafaia sabe que ele é avesso a mentiras, rótulos e hipocrisia; mas, ao mesmo tempo, trata-se de um homem cordial e humilde, apesar de conhecer a sua posição no reino de Deus e não abrir mão dela por nada. Por isso, de forma absolutamente voluntária, fiz questão de me manifestar. A omissão, em horas como esta, é, no mínimo, aviltante. Minha consciência não me permite ficar calado e inerte, ao perceber que, nitidamente, o novel jornalista João Batista Jr. tenta desconstruir a imagem da igreja evangélica no Brasil, atacando voraz e frontalmente um de seu digno representante. Quero ressaltar, de forma clara e inequívoca, que conheço e sou assinante da Revista Veja. Trata-se de um órgão da imprensa escrita da mais alta credibilidade, com serviços prestados a nação brasileira da mais alta relevância. E que tem tratado as organizações e crenças religiosas de maneira imparcial, respeitando a laicidade do Estado brasileiro. Pessoalmente, destaco o excelente jornalista Reinaldo Azevedo, a quem presto solidariedade e respeito, assim como Lauro Jardim, dentre outros renomados jornalistas da Veja Nacional. Tenho inclusive a impressão que, até mesmo os editores desta conceituada revista ficaram pasmos diante da postura tendenciosa e afobada de seu novel jornalista correspondente. Isto não condiz com a maneira isenta com que estas questões tem sido tratadas pela revista Veja, em relação a comunidade religiosa cristã. Evidencio isto, porque a pouquíssimo tempo (ano passado), o Pastor Silas Malafaia, foi destacado pela revista Veja Nacional, com uma importante e densa entrevista concedida nas “folhas amarelas”, em âmbito nacional, momento em que foi questionado sobre diversos temas nacionais, inclusive sobre os projetos de lei que atualmente estão tramitando na Camara dos Deputados e no Senado Federal, que contrariam os princípios da livre manifestação do pensamento e da expressão, da crença religiosa e do principio da laicidade no Brasil, tais como o PLC 122 e a reforma do Código Penal Brasileiro. O Pastor Silas Malafaia tem sido um incansável combatente em defesa da liberdade de culto e da livre manifestação da expressão e do pensamento. Por isto, tem sofrido terríveis e ferrenhos ataques nas audiências publicas em que tem participado como convidado a proferir palestras, sendo sempre tratado de maneira desrespeitosa, jocosa, imoral, discriminatória e preconceituosa pelos ativistas gays e por alguns setores da imprensa brasileira simpatizantes da causa. O novel jornalista tratou tão bem ao Padre Marcelo Rossi quando deu cobertura a inauguração de seu majestoso Templo. Por que ser tão preconceituoso, discriminatório e difamador para tratar os mais de quatro mil participantes da gloriosa ESLAVEC? A questão, obviamente, não está em abordar um assunto religioso, mas pela forma como atuou no levantamento de informações. O novel jornalista João Batista Jr. queria mesmo tratar nossa fé cristã como “uma carreira de mercado: promissora e acessível para qualquer pessoa”. Considerando o histórico dos ativistas em tentar abordar de forma parcial assuntos que não domina, não me surpreendeu os chavões e as frases com a intenção dúbia na abordagem do novel jornalista. Se o novel jornalista tinha o real interesse em participar da gloriosa ESLAVEC, pergunto: De que igreja evangélica ele é membro? Qual ministério ele pertence? O que ele sabe sobre consagração, separação e ordenação ministerial? A resposta é, por si, um despropósito. Por obvio e conseguinte, afirmo que o novel jornalista escolheu o pior dos caminhos na busca de sua sanha em tentar desconstruir a imagem da gloriosa ESLAVEC e de seu fundador, idealizador e líder, Pastor Silas Malafaia. O novel jornalista preferiu o anonimato. Mais ainda: de maneira mentirosa e ardil, se inscreveu como sendo um líder evangélico. Qual a razão deste jornalista em usar deste artificio? Queria a busca da verdade real? Estaria a participar de apuração de algum fato delituoso, ilícito e/ou criminoso, que exigiria este artificio?. Por que não se apresentou à direção do evento, requerendo seu credenciamento como jornalista da revista Veja?. Não tenho duvidas que receberia seu credenciamento, assim como outros órgãos da imprensa escrita, falada e televisionada pediram e foram prontamente e respeitosamente atendidos. Por que usar deste artificio a margem da ética jornalística minimamente plausível? Pois é… Tudo o mais constante, João Batista Jr. foi com a sórdida e má intenção a ESLAVEC e o desconhecimento do assunto religioso confundiu a sua intenção. O que costuma acontecer em casos como esses? A experiência demonstra que suas criticas visaram tão apenas em tentar macular o portentoso evento promovida pela Associação Vitória em Cristo, presidido pelo pastor Silas Malafaia. A gloriosa ESLAVEC é uma Escola de Treinamento e Reciclagem para Líderes… Então quem participa? Líderes. Mas o que são líderes? Apenas os pastores presidentes de igrejas evangélicas? Somente os pastores dirigentes de congregações? Definitivamente, não. A liderança evangélica compreende também os lideres coordenadores dos diversos departamentos que compõem as igrejas evangélicas, não somente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, mas também e inclusive das diversas denominações ali presentes. São os líderes dos departamentos da mocidade, do louvor, dos adolescentes, do departamento infantil, dos esplendorosos círculos de oração, dos professores da escola dominical, dos mestres das classes de novos convertidos, do departamento musical, dos departamentos missionários, dos ministérios de evangelização em massa, evangelização pessoal ou em ar livre, dos capelães hospitalares e, até mesmo do pai e mãe de família tradicional evangélica, pois a igreja começa nas nossas casas. O Pastor Silas Malafaia é o único líder evangélico, que tenho conhecimento, no Brasil, que atualmente idealiza e promove este tipo de seminário e/ou escola de ministério, com esta visão e abrangência. Antes dele, apenas o Reverendo Billy Graham e o Rev. David Wilkerson, dos EUA, promoveram algo semelhante em décadas passadas. A intenção precípua da gloriosa ESLAVEC é colaborar com as diversas denominações evangélicas brasileiras na reciclagem ministerial de seus obreiros. Jamais o Pastor Silas Malafaia teve a intenção de angariar obreiros destas denominações para somar no projeto da igreja onde preside, a Assembleía de Deus da Penha, hoje conhecida como ADVEC. Esta igreja, com mais de setenta anos de história de dignidade, decoro, exemplo e visão missionaria, já foi presidida por grandes e renomados homens de Deus, e, que durante, mais de quarenta anos foi pastoreada pelo meu inesquecível amigo e conselheiro Pastor José dos Santos, de saudosa memória. Após sua promoção ao Céu, o Pastor Silas Malafaia foi eleito por unanimidade pelos membros da ADVEC, como seu novo pastor presidente. A gloriosa ESLAVEC, recebeu como inscritos regularmente grandes líderes presidentes de outras denominacões evangélicas, das quais cito alguns: 1) Pastor Jabes de Alencar, pastor presidente da Assembleia de Deus do Bom Retiro e do Conselho de Pastores de São Paulo; 2) Josué Gomes, pastor presidente da Igreja Ministério Plenitude; 3) Marco Gregório, pastor presidente da igreja Ministério Apascentar; 4) Jorge Linhares, pastor presidente da igreja Batista Getsêmani e atual presidente do CIMEB (Conselho Interdenominacional dos Ministros Evangélicos do Brasil); 5) Marco Antonio Peixoto, pastor presidente da Comunidade Internacional da Zona Sul; 6) Samuel Câmara, pastor presidente da Igreja Mãe das Assembleias de Deus no Brasil em Belém, Pará; 7) Estevão Fernandes, pastor presidente da Primeira Igreja Batista de João Pessoa – Paraíba; 8) João Brito, pastor presidente da Igreja Batista de Vitória – Espirito Santo; 9) Flamarion Rolando, Pastor presidente da Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular em Governador Valadares, Minas Gerais; 10) Maycon Abud, pastor presidente Igreja Embaixada do Reino, em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Estes são apenas alguns dos líderes evangélicos que participaram e participam ativamente da gloriosa ESLAVEC promovida pela Associação Vitória em Cristo, presidida pelo seu fundador pastor Silas Malafaia. Com certeza, se o novel jornalista tivesse realmente a honrosa intenção de promover uma matéria isenta na busca da verdade real, jamais se esqueceria de, ao menos, citar alguns destes eminentes homens de Deus. A VERDADE É QUE A SUA PAUTA JORNALÍSTICA JÁ ESTAVA PREVIAMENTE ACORDADA: VISAVA TÃO APENAS TENTAR DESCONSTRUIR A IMAGEM ESLAVEC E DO PASTOR SILAS MALAFAIA. Faço aqui uma nota, à margem, antes que continue: O Pastor Silas Malafaia, através da Associacao Vitória em Cristo, investiu cerca de R$ 4 milhões para promover a gloriosa ESLAVEC, jamais pensando de maneira exclusivista em formar apenas líderes para sua igreja e ministério. Na verdade, em temos proporcionais, o número de participantes membros da Assembleia de Deus Vitória em Cristo foi insignificante comparado ao de todas as outras denominações evangélicas. Além disso, este evento jamais foi patrocinado pela Assembleía de Deus Vitória em Cristo, pois isto simplesmente seria inexeqüível, mas pela Associação Vitória em Cristo, entidade para-eclesiástica, sabiamente presidida pelo Pastor Silas Malafaia a mais de trinta anos, e, que tem milhares de colaboradores, das mais diversas denominações evangélicas, e até mesmo não evangélicos, que apreciam, respeitam e se solidarizam com os propósitos desta conceituada entidade eclesiástica, que tem prestado relevantes serviços a nação brasileira na area social e evangelística, dentre outras. Foram milhares de obreiros evangélicos que participam deste evento sem precisar fazer qualquer investimento financeiro. Intuo que o repórter não quis investigar estas questões, por pura malvadeza. Já tinha montado uma pauta em sua mente — buscar desconstruir a imagem do glorioso evento e de seu principal líder e idealizador, pastor Silas Malafaia. Atenção, meus caros! Não vou aqui debater como é a formação de líderes em igrejas neopentecostais, mas definitivamente o novel jornalista João Batista Jr. foi o homem errado no lugar errado. A ESLAVEC não é a primeira nem a última escola visando a reciclagem de líderes evangélicos. A grande maioria das igrejas promovem estas escolas em suas denominações, dentro de suas particularidades. O objetivo não é qualificar “mão de obra”, mas ajudar a capacitar as pessoas a lidar com conquista de almas para Jesus Cristo. Isso não significa que todos são ou serão pastores. Na verdade, tomando por exemplo, as Assembleias de Deus, da qual participo desde meu nascimento, tem vários cargos eclesiásticos, cada um com sua função e area distinta de atuação, e, diga-se de passagem, todos os pastores, via de regra, devem passar por cada cargo e ministério eclesiástico até chegar ao almejado pastorado. Partindo de auxiliar, cooperador, diácono, presbítero, evangelista, até o tão glorioso cargo de pastor. É imperioso afirmar, a esta altura, de maneira categórica, que a gloriosa ESLAVEC jamais pretendeu nem pretende substituir os cursos de formação teológica, exigidos para a ordenação de ministros em igrejas sérias, como a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Aliás, o Pastor Silas Malafaia foi professor de diversas matérias teológicas no IBP (Instituto Bíblico Pentecostal), um dos mais antigos e respeitados Seminário Maior de ensino teológico no Brasil. Pois é… João Batista Jr. escreve sobre os evangélicos como se conhecesse e frequentasse uma igreja cristã no seu dia a dia. Na verdade, o novel jornalista parlapatou cheio de opinião sobre um tema que não lhe diz respeito e que, de maneira amadorística, demonstrou total desconhecimento. Enganou-se ao supor que ministério pastoral é emprego acessível a qualquer público. Um verdadeiro pastor jamais exerce sua chamada ministerial visando amealhar os lucros ou prejuízos financeiros, mas seu enfoque e ênfase busca alcançar a maior quantidade de almas, de vidas transformadas pelo poder regenerador e transformador da Palavra de Deus, — isso o novel jornalista João Batista Jr. só vai entender quando se arrepender e se converter ao genuíno Evangelho de Jesus Cristo. Com sua atitude de anonimato, parece que estava indo a um evento ilegal, imoral ou criminoso. Normalmente o repórter usa este artificio de se ocultar, para não ser identificado com medo de represálias… Com esta impensada atitude tentou passar esta ideia. Mas o que o novel jornalista presenciou foram pessoas simples, amorosas, honradas, que não bebem álcool nem fumam drogas, com a Bíblia na mão, cheios do Espírito Santo, cantando, testemunhando, compartilhando sua comunhão e conversão a Jesus Cristo. Os R$ 700,00, o novel jornalista João Batista Jr. pagou porque quis. Por ventura assinou alguma ficha afirmando que ia a um curso teológico? Recebeu algum diploma ao final do curso atestando que estava graduado e preparado a pretender algum cargo ministerial em alguma igreja evangélica? Ora, senhores leitores, se haviam pastores presidentes de grandes denominações evangélicas, entre os participantes da gloriosa ESLAVEC, logo, então, é crivel, lógico e evidente que aquele não era um curso de formação de pastores. Entendem o meu ponto de vista? Por inabilidade e falta de acuidade jornalística, infelizmente, o novel jornalista João Batista Jr. se esmerou tanto em promover a desvalorização da ESLAVEC e de seu idealizador, pastor Silas Malafaia, que confundiu tudo. A Associação Vitória em Cristo é quem promove a ESLAVEC, gratuitamente para diversas denominações. A igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, presidida pelo pastor Silas Malafaia, é apenas mais uma participante. Enquanto o pastor Silas Malafaia preside a igreja a cerca de 3 anos, quando foi eleito por unanimidade pela assembleia geral da mesma; também é o fundador, idealizador e presidente da Associação Vitória em Cristo há mais 30 anos. Uma é totalmente distinta da outra. Não obstante o vexame, João Batista Jr. demonstrou em sua narrativa um forte preconceito e discriminação contra os mais de quatro mil participantes da gloriosa ESLAVEC, com a nítida intenção de ridicularizar os evangélicos. Afirmar categoricamente que os participantes da ESLAVEC estavam interessados apenas em transformar a vocação em um trabalho remunerado? De onde ele tirou estas falácias? Por que fez questão de mencionar a “calça tergal”? Qual a intenção em dizer que uma participante “bufava” por conta dos mosquitos? Só há uma resposta: tentar desconstruir a imagem dos participantes. Gente honrada, sérias no seu viver, pais honrados, cristãos sinceros a busca de uma maior comunhão com Deus e aprofundamento no estudo da Bíblia Sagrada, livro guia e regra de fé e prática do verdadeiro cristão. O jornalista João Batista Jr., a meu ver, estava na ESLAVEC a serviço de um ativismo. Basta ler suas declarações e filtrar suas intenções. Outro fato: Qual evento, seja secular ou evangélico, de grande porte, que não apresentará stands com diversos materiais para exposição e venda? O que quis dizer com “adultério e prática homossexual” serem práticas imperdoáveis? Jamais, em momento algum, este assunto foi tratado na ESLAVEC. Fique tranquilo, novel jornalista ativista: este assunto estamos tratando no foro competente: as audiências públicas nas Casas de Leis em Brasília. Não iremos esmorecer. Matérias tendenciosas, preconceituosas e discriminatórias como esta, só estimulam ainda mais nossa caminhada rumo a enterrar estes malfadados e malvados projetos de Lei que tentam instituir o delito de opinião e a cristofobia. O preconceito religioso é o mais vil dos preconceitos. Atitudes discriminatórias serão prontamente respondidas nos foros competentes. Outro fato: Qual foi sua real intenção ao comparar, de maneira jocosa, a altura (estatura física) do nobre pastor americano T.D. Jakes, da Potter’s House, de Dallas (um incontestável grande líder eclesiástico dos EUA, e pastor sênior de uma das maiores igrejas evangélicas dos Estados Unidos), com a do tradutor, pastor Gidalti de Alencar, um dos maiores intérpretes que este Brasil tem? A intenção era uma só: tentar desconstruir e desmerecer a imagem dos evangélicos. Ora, ficou evidente a maldade e a cristofobia na matéria tendenciosa, preconceituosa e discriminatória assinada pelo novel jornalista correspondente da Veja São Paulo, ao concluir destacando a preocupação com o crescimento da igreja. Se não tem como frear o crescimento dos evangélicos, então tem de tentar desconstruir a imagem dos evangélicos. O novel jornalista definitivamente fez uma salada venenosa ao concluir colocando todos, neopentecostais e igrejas tradicionais, em um mesmo balaio. A intenção é, — já disse — desconstruir a imagem dos evangélicos. Por derradeiro, proponho e peço, humildemente, aos nobres colegas obreiros desta nação evangélica brasileira, e também, pastores presidentes de outras denominações evangélicas, homens sérios e íntegros, que demonstrem através de pronunciamentos, nosso inconformismo com atitudes preconceituosas e discriminatórias contra a igreja evangélica no Brasil. Não esqueçamos do magistério de Agostinho: “Nas coisas essenciais, UNIDADE. Nas coisas não essenciais, LIBERDADE. Em todas as coisas, CARIDADE”. “As pessoas nos dão o tratamento que nós autorizamos”. Por isso, de maneira veemente, rechaço totalmente a inverossímil, maldosa, maligna, tendenciosa, preconceituosa e discriminatória matéria jornalística. “Tratai todos com honra, amai os irmãos, temei a Deus, honrai o rei” (1 Pe 2.13-17). Tenho dito, Deus seja louvado.

 Por Tiago Chagas, para o Gospel+
COMPARTILHAR:

+1

Não Consegue Ouvir ?

Participe Por SMS



Igreja