Lei que apoia a realização de eventos evangélicos causa revolta entre artistas em Manaus

Lei que apoia a realização de eventos evangélicos causa revolta entre artistas em Manaus
Em Manaus (AM), uma proposta do vereador Carlos Alberto (PTB), que pede a inclusão de eventos culturais evangélicos no calendário municipal e o repasse de recursos da Fundação Municipal de Artes e Cultura (Manauscult) para a realização dos mesmos, causou polêmica e motivou críticas por parte de artistas locais.
De acordo com o G1, a emenda à lei aprovada na Câmara Municipal de Manaus (CMM) foi sancionada pelo prefeito Artur Neto (PSDB) na edição de dia 17 de julho do Diário Oficial do Município. O vereador afirma, no documento, que “o objetivo da lei é proporcionar à grande nação evangélica de Manaus a possibilidade de desenvolver eventos culturais na cidade”.
Afirmando se tratar de um desrespeito ao Estado Laico, artistas de Manaus se reuniram contra a lei, afirmando se tratar de uma medida que favorece um segmento religioso em detrimento de outros.

- O vereador pontua a religiosidade, mas a proposta dele está pautada apenas na religião evangélica – afirma a cineasta Keila Serruya.
- Vamos nos reunir para afinar o discurso e decidir o direcionamento que iremos tomar. É importante dizer que a Manauscult provavelmente já tinha conhecimento disso e não informou ninguém. Descobrimos por conta própria – completa.
O cineasta Zeudi Souza também se colocou contra a proposta do vereador. De acordo com Souza, a emenda A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) representa uma ameaça aos “princípios morais e éticos dos artistas que nunca tiveram privilégios por serem evangélicos, afros, umbandistas etc”.
- Conhecemos bem a história e a intromissão dos evangélicos nas instituições culturais. Há uma dificuldade de esse vereador entender o que é cultura, arte e religião – afirma o cineasta, que ainda critica o vereador afirmando que “ele é eleito para representar o povo, que são todos aqueles que vivem na cidade e não um nicho religioso que o colocou no poder”.
- Se eu quiser fazer um longa com R$ 1 milhão, terei que passar por um edital. Se os evangélicos quiserem um festival de música com o mesmo valor, irão receber a verba direta – exemplificou o cineasta – que classificou a lei como “horrenda”.
O diretor teatral Douglas Rodrigues, que integra o Conselho Municipal de Cultura, afirma que a lei “vai contra toda a produção e a cadeia produtiva de cultura”. Segundo ele a proposta “retira direitos do segmento que está lutando por melhores condições de trabalho”, segundo o G1.
A Manauscult respondeu à polêmica afirmando que responderá a quaisquer questionamentos a respeito da Lei. O vereador Carlos Alberto defendeu a proposta durante discurso na Câmara Municipal na última semana.
- Apresentei a emenda com o propósito de ajudar e contribuir com a grande nação evangélica. Me orgulho de poder ajudar essa grande nação, que foi capaz de colocar nas ruas, na ‘Marcha para Jesus’, praticamente 1 milhão de pessoas. E por que não fazer uma emenda para beneficiar eventos que atraem milhares de pessoas, que pregam a palavra de Deus, que cura, liberta e abençoa. A minha emenda veio com o propósito de beneficiar e não prejudicar. A proposta é justa, não tem nada de errado e por isso foi aprovada, está dentro da lei, do direito que temos de assim fazer e executar – defende o vereador.
Por Dan Martins,
COMPARTILHAR:

+1

0 comentários:

Postar um comentário

Postar um comentário

Não Consegue Ouvir ?

Participe Por SMS



Igreja